Empresa de aulas de reforço online usa Azure com software open source para suportar suas operações


De olho no público de estudantes interessados em ingressar na faculdade, a startup Descomplica surgiu como plataforma de aulas de reforço online. Com conteúdos em vídeo, a Descomplica, apoiada pelo projeto de suporte a startups BizSpark, da Microsoft, foi fundada pouco mais de dois anos atrás e já tem hoje um tráfego de dar inveja a grandes sites brasileiros.

Para dar uma ideia, nas 12 horas antecedentes ao ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2014, por exemplo, o site registrou 35 mil usuários simultâneos em alguns momentos e mais de 1 milhão e meio de visitas apenas na semana antecedente à prova. “A gente tem relatos por exemplo de alunos que falam que em cinco minutos de uma aula do Descomplica ele conseguiu aprender algo que em uma hora ele não conseguiria em uma sala de aula convencional”, conta Leonardo Cardoso, diretor de TI da Descomplica.

O espaço físico para operação que começou basicamente em home office em uma sala de co-working precisou ser expandido para duas casas inteiras no bairro Botafogo, no Rio de Janeiro. Nesses dois anos a empresa saiu do zero para uma estrutura considerável com cerca de 120 empregados. Agora imagine a estrutura de TI para suportar uma operação dessas, com streaming de vídeos para essa quantidade de pessoas. Até poucos anos atrás seria necessário um investimento pesado em hardware, o que poderia inviabilizar o negócio, mas com a nuvem a realidade é outra. Desde o início, a Descomplica faz parte do programa de apoio de startups da Microsoft. Nele, a Microsoft oferece US$ 5.000,00 por mês para a startup gastar no Azure, a plataforma de cloud computing.

A viabilização deste modelo de negócio, através do uso de recursos computacionais como serviço com pagamento atrelado a utilização é algo que apenas uma plataforma de nuvem pode oferecer.

Uma das grandes vantagens do Azure WebSites apontada pela equipe técnica do Descomplica é a rapidez. Ao descobrir um erro, em menos de dez segundos é possível subi-lo e ver a correção já no ar. O auto-scaling é outra questão elogiada pelos desenvolvedores, a reação do sistema é bastante rápida. Uma possibilidade oferecida pelo Azure é a utilização de soluções open source de forma natural, mostrando-se uma plataforma computacional heterogênea e independente de sistema operacional.

A Descomplica utiliza máquinas virtuais Linux com Redis para implementar cache dos conteúdos, além de MongoDB na camada de banco de dados para gerar relatórios. “A gente procura aproveitar o que cada sistema operacional tem de melhor para oferecer para a gente, seja Linux ou Windows”, afirma Francisco Bowsley, desenvolvedor da Descomplica.


Autor: Microsoft Tech